sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Hidroeléctricas en la amazonía ¿energía limpia?



Este vídeo mostra que ao contrário dos que muitos pensam as hidrelétricas não são uma forma de energia limpa. De uma forma bem didática ele explica porque. Em espanhol.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Índios isolados são identificados em área de impacto das hidrelétricas de Jirau e de Santo Antônio na Amazônia

De acordo com a reportagem do jornal a crítica.com a Fundação Nacional do Índio (Funai) por meio da Expedição da Frente de Proteção Etnoambiental do Madeira (FPEA Madeira)confirmou a presença de índios isolados em uma área da Terra Indígena Katauixi/Jacareúba na divisa do Estado do Amazonas com Rondônia. Vários vestígios foram encontrados na área como: sinais de pegadas, quebradas e torções de arbustos, galhos cortados, palhas trançadas e assobios. A área onde os índios isolados foram encontrados fica a 30 quilômetros do canteiro de obras das hidrelétricas de Jirau e de Santo Antônio. Há 20 anos já existia informações sobre esse grupo mais somente agora é que ocorreu a confirmação. A Funai disse que vai intensificar os trabalhos na área visando a proteção dos indígenas.


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Resistência contra Belo Monte - Vídeo dos estudantes amazônidas



Depois do vídeo "É a gota d'água" onde vários artistas se pronunciam contrários a construção da usina hidrelétrica Belo Monte no Pará, surgiram vídeos também a favor da construção como o "Tempestade em copo d'água" como uma forma de resposta a estes vídeos que circulam pela internet estudantes do Pará mostram porque são contrários a obra. Nada como ouvir o que tem a dizer quem mora na Amazônia. Confira.

Story of Stuff - Completo e legendado em português



O Documentário Story of Stuff ajuda a entender como funciona o sistema capitalista e o impacto que ele gera no ambiente. Excelente.


Cartun Código Florestal

Via: Wold cartOOnists
Este cartun é bem representativo do momento em que parte da classe política quer desmantelar o Código Florestal.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Una ley de la selva para la Amazonia

Brasil ultima una norma que regulariza lo deforestado hasta 2008 - Los ecologistas lo ven como un atentado sin precedentes; los agricultores lo celebran - ¿Es solo realismo o un suicidio?

Desde el aire se ve claramente cómo los agricultores y ganaderos avanzan en la Amazonia. Lo hacen de forma quizá lenta -si se compara con la enormidad de la vegetación- pero inexorable. Al norte de Alta Floresta (en el centro de Brasil), entre la impenetrable selva surgen de repente enormes cultivos de mijo y de soja, en haciendas de cientos y hasta miles de hectáreas. "Parecen campos de golf", señala gráficamente Tatiana Carvalho, responsable de deforestación de Greenpeace, que ha invitado a un grupo de periodistas a sobrevolar el lugar con el avión de la organización. El suelo, verde, parece en efecto el green de Augusta, aunque rodeado de una muralla de árboles de decenas de metros de altura.

Los campos tienen formas caprichosas, pero siempre el perímetro sigue líneas rectas, las de la propiedad. Están aún lejos de cualquier ciudad, pero el grano es muy rentable. Carvalho explica que deforestar no es nada sencillo. En el Amazonas ni siquiera eso es sencillo. "En ocasiones tienen que quemar tres años el terreno y luego ir desbrozando y quemando todo a mano para que no queden ni las raíces, porque eso dañaría la maquinaria". En esos trabajos se emplean a veces esclavos, trabajadores que, engañados, acuden a una selva de la que ya no pueden salir.

Aunque la temporada seca toca a su fin, aún se divisan de vez en cuando columnas de humo. En otras parcelas quedan alineados tocones pendientes de ser quemados. Muchos están junto a campos ya en cultivo y van ganando terreno. Los suelos para el ganado no son tan homogéneos. Allí puede quedar en pie algún árbol de vez en cuando.

Brasil era hasta hace nada el ejemplo en la lucha contra la tala ilegal. La superficie deforestada en la Amazonia brasileña cayó de 29.059 kilómetros cuadrados al año en 1995 (una superficie como Galicia) a solo 6.451 en 2010. El Gobierno y los Estados han hecho un gran esfuerzo en combatirla. Y los satélites, más. Pese a la enormidad de la superficie a controlar, el satélite Landsat ofrece cada mes avances de la deforestación. Roni, técnico de Greenpeace, analiza los datos y con un GPS y un ordenador es capaz de dirigir la avioneta al punto exacto en el que otro cacho de selva ha muerto. Además, la presión de las ONG había hecho que firmas de países desarrollados se negaran a comprar madera, cuero o soja que no estuviera certificada como procedente de zonas no deforestadas.

El uso de la tecnología limita, pero no impide, los abusos. Sobre una de las parcelas en las que el satélite detectó deforestación en mayo, el ordenador no devuelve datos. "La parcela no está en el registro", sonríe. Ese tipo de control no lo pueden llevar ni Indonesia ni los países del río Congo.

Sin embargo, Brasil puede estar a punto de dejar de ser un ejemplo. El Senado brasileño tiene previsto aprobar el martes en pleno la reforma del Código Forestal, una norma trascendental vigente desde 1965. La ley, aprobada con una abrumadora mayoría en las comisiones del Senado, permite regularizar la deforestación cometida hasta 2008 (Greenpeace, otras ONG y la oposición hablan de una amnistía). "Gana quien deforestó ilegalmente. Nuestro trabajo no sirvió para nada", explica un responsable de la lucha contra la deforestación que pide el anonimato porque es un asunto sensible en Brasil.

El texto ha generado un gran debate en el país. En contra del proyecto legal se han pronunciado la Academia Nacional de Ciencias y hasta la Iglesia católica. El pasado jueves, la Conferencia Nacional de los Obispos de Brasil expresó en un comunicado su "preocupación por la posible aprobación del proyecto sin unas correcciones necesarias", en alusión a que "mantiene la ocupación de áreas deforestadas ilegalmente". El texto "condena a regiones enteras del país a convivir con ríos agonizantes" y "especies en extinción". "En contra de lo anunciado, este proyecto no representa un equilibrio entre conservación y producción", concluyó el Consejo Episcopal Pastoral.

Los ecologistas confiaban en la presidenta, Dilma Rousseff, que cuando el Congreso aprobó la ley, en mayo pasado, anunció que vetaría el texto. "Sin embargo, no ha vuelto a hablar y la ley se ha tramitado con toda la urgencia y sin oposición. Si ella hubiera querido intervenir, habría conseguido cambios en el Senado", explica Carvalho. Greenpeace destaca que la sola esperanza de la amnistía ha hecho repuntar la deforestación un 15% respecto a 2010.

El ponente es el senador Jorge Vianna, exgobernador del Estado de Acre, en la Amazonia brasileña cerca de Perú. Vianna explica por teléfono: "No es el código de mis sueños pero es bueno para Brasil y para el medio ambiente". Vianna añade: "Durante los últimos 30 años hemos disminuido mucho la deforestación, pero aun así se destruyó mucho donde estaba prohibido. Ahora creamos un programa de recuperación". A quien denuncia que supone una amnistía, el senador les pide que "lean el código". "Greenpeace quiere recuperar todo lo destruido, pero eso es imposible", concluye.

Tatiana Carvalho replica con el artículo 61 del texto, que permite mantener en las llamadas áreas de preservación permanente las actuaciones de agricultura y ganadería consolidadas antes de 2008. "Da igual si se taló ilegalmente", añade: "Con esta norma se podrán talar o quemar legalmente 22 millones de hectáreas", se amnistiaría la deforestación de 30 millones de hectáreas y "se condonan multas por unos 4.000 millones de euros".

Su enfado contrasta con la felicidad que deja entrever la senadora Kátia Abreu, presidenta de la Confederación de Agricultura y Ganadería de Brasil: "De los 81 senadores solo cinco votaron en contra. No solo lo apoyan los ruralistas. Los radicales perdieron el discurso". Abreu insiste en que no es una amnistía: "Quien taló tiene que reforestar, por lo tanto, no es una amnistía. Ahora dejamos las reglas claras para el futuro". El sector agrícola critica que, si no se aprueba la reforma, el 90% de los agricultores está en situación ilegal. Añade que "la nueva legislación comprende la importancia que tiene mantener la actividad agrícola de Brasil, que ha crecido hasta ser uno de los mayores sectores del país". En 2006, Brasil superó a EE UU como principal exportador de soja. El 25% de la que se produce en el mundo procede del país. Según la confederación, en las últimas tres décadas la producción de grano en Brasil se ha triplicado.

El texto es complejo y las palabras para publicitarlo son relevantes. Como señalaba un artículo en la Folha de São Paulo, los impulsores han evitado dar "una connotación obvia de amnistía", aunque "varias permanecen". Es importante evitar la imagen de tabla rasa para que no lo vete Dilma Rousseff. Brasil organiza en junio la cumbre de la Tierra con la que celebra los 20 años de la cumbre de Río y no sería buena publicidad solo seis meses antes.

Luiz Antonio de Carvalho, asesor del Ministerio de Medio Ambiente, da un punto de vista intermedio. Explica cómo desde 1965 la norma sufrió tantas reformas puntuales que dejó a muchos agricultores fuera de la ley: "La realidad es que no se cumplen muchas de las previsiones del código", como la obligación de no deforestar a los márgenes de los ríos. Según De Carvalho, Brasil no puede seguir con las redadas continuas y con el Ejército controlando las talas: "En un pueblo detuvimos a todas las autoridades. Solo quedó uno de los 10 concejales y el cura. Hay muertos. Tenemos que pasar a regularizar la situación y tener una gestión ambiental". Su conclusión: "Hay que regularizar lo regularizable. La deforestación cero no existe".

No existe desde luego en las fincas elegidas por Greenpeace para enseñar los malos ejemplos. Hay una que era de una propiedad y que ahora pertenece a 12 dueños (siete de ellos, familiares). Al trocearla podrán proseguir legalmente la deforestación como pequeños agricultores. Solo entre agosto de 2010 y julio de 2011 deforestaron 1.455 hectáreas, según la ONG. En el suelo aún quedan restos de árboles esperando de la última quema. También está el típico puxadinho, el que gana terreno a la selva sin encomendarse a nadie; o el caso de uno de los mayores deforestadores del Amazonas, que con el nuevo código podrá compensar lo arrasado comprando fincas en el interior de la selva, donde es mucho más barato y donde nadie iba a deforestar (al menos, de momento).

El problema es que no hay ningún incentivo por mantener y conservar la selva. No existe un sistema internacional que compense por no deforestar, pese a la importancia que tiene para el planeta conservar la Amazonia. La deforestación supone actualmente alrededor del 18% de las emisiones de gases de efecto invernadero y los expertos consideran que frenarla sería una de las formas más baratas de reducir la emisión de dióxido de carbono.

El margen para conservar es enorme. En un día en avioneta se pueden ver desde tribus aisladas a enormes minas de oro; desde camiones cargados de madera, a piras humeantes en las que arden árboles de un bosque primigenio. El Amazon Edge, el avión Cessna Caravan con capacidad para 10 personas y que hace seis años costo 2,5 millones de dólares, es el lugar perfecto para ver el conflicto nunca superado entre desarrollo y medio ambiente. ¿Cómo pedirle a Brasil que no asfalte unas rutas que van de extremo a extremo del país? Sin embargo, la deforestación penetra a través de las carreteras. ¿Quién cuadra ese círculo?



Fonte: RAFAEL MÉNDEZ / Jornal El País

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Os últimos exploradores de ouro




(...) Ali, escavado na terra, se abre uma enorme cratera que ocupa um quadrado de 100 a 300 metros. Cinquenta mil garimpeiros, com picaretas, pás e sacos para transportar a terra são donos do grande formigueiro. Um exército de corpos molhados, cobertos por terra com pequenos sacos atados a cabeça esmagando seu cangote, se move desajeitadamente pelo coração da mina. Cada um deve percorrer 400 metros carregando em média com 30 a 60 quilos sobre seus ombros (...). A história de Serra Pelada é uma alucinação. Arrebatados pela febre do ouro, 50.000 mil homens - sem mulheres e sem álcool – se projetam na selva brasileira. Comparecem a chamada de uma pepita de ouro descoberto em 1980. Isolados do mundo, a 100 quilômetros de distância de Marabá, a cidade mais próxima, guardados por três diferentes policias, trabalham durante seis horas diárias até cair esgotados pelo esforço (...). Vista de cima, a mina é uma imensa escada sem direção que foi se formando pela força da competência. Cada concessão, cada sonho de encontrar ouro, se esconde em um minúsculo quadrado de terreno de três por dois metros (...). Não são escravos, ainda que seu aspecto sugira. São homens que investiram sua fortuna para alugar por um ano uma concessão, ou trabalhadores que esperam encontrar sua pepita no saco de terra que quando termine seu contrato recebam como presente (...). Nas ladeiras de serra pelada, que agora permanecem em silêncio, restou coberto por lama as ilusões de quem se atreveu a baixar aos infernos em busca de sua fortuna (...). A vida em serra pelada não é fácil, rodeado por três diferentes policiais, submetidos ao isolamento e a tensão, exposto ao risco de qualquer deslizamento, os garimpeiros convivem com a morte.

O jornal El País está com um especial de aniversário pelos seus 35 anos e para comemorar selecionou 35 reportagens que fizeram parte da sua história. Entre elas está “ Los últimos buscadores de oro” que foi publicada em 1989 que trata da exploração do garimpo de Serra Pelada no Pará. A história de Serra Pelada também faz parte da história da Amazônia. A corrida moderna pelo ouro. As fotos da reportagem pertencem ao prestigiado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado. Que retratou por vários continentes os problemas sociais.

Traduzi parte da reportagem para o português. Quem quiser ler na íntegra a reportagem de Alberto Anaut é só acessar “ Los últimos buscadores de oro” no site do jornal El País.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Prêmio Esso de Telejornalismo 2011 - Transamazônica, a estrada sem fim



A Rede Record ganhou o Prêmio Esso de Telejornalismo 2011 com a reportagem Especial 40 anos -- Transamazônica, a estrada sem fim. A série é excelente e mostra os impactos sociais e ambientais que essa estrada que corta parte da Amazônia causou e ainda causa na vida dos amazônidas.

O trabalho foi produzido pela equipe formada pelos jornalistas Gustavo Costa, André Tal, Cátia Mazin e Rodrigo Bettio. O prêmio é considerado o maior do jornalismo brasileiro.

A equipe percorreu 5.000 quilômetros em 28 dias, em plena floresta Amazônica, para produzir a reportagem. O especial aborda o início da construção da estrada, na década de 1970, em pleno regime militar, até os dias de hoje.

sábado, 19 de novembro de 2011

Quase metade da população da Amazônia está abaixo dos níveis de pobreza

A Pan-Amazônica, onde vivem 34,1 milhões de pessoas (10% da população da América do Sul), está abaixo de níveis de pobreza.

A conclusão é de um estudo do ARA (Articulação Regional da Amazônia) lançado na terça-feira à noite em Belém, no Pará, durante o Fórum Amazônia Sustentável.

O trabalho reúne dados sobre mortalidade, analfabetismo, desmatamento e outros nos nove países da Pan-Amazônia --Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela.

A situação é mais crítica na Bolívia, onde 60% da população que habita a Amazônia daquele país vive com menos de 0,75 dólar por dia.

Se esse país considerasse a metodologia da ONU para medir a pobreza extrema, que é de US$ 1 diário, a porcentagem seria ainda maior.

"A região amazônica é sempre a mais pobre em todos os países da Pan-Amazônica", disse à Folha Adalberto Veríssimo, pesquisador da ONG Imazon e coordenador da coleta de dados no Brasil.

Para Veríssimo, esse tipo de mapeamento "sem fronteiras" é importante porque a preservação da floresta deve ser feita em conjunto.

"Isso está cada vez mais claro. Não adianta o Brasil preservar o rio Amazonas se a nascente fica no Peru."

O Brasil hoje responde por cerca de 72% das taxas anuais de desmate da floresta, seguido pela Venezuela (12,5%) e pelo Peru (6,5%).

Mas, de acordo com Veríssimo, há um problema generalizado na coleta de dados da região amazônica. A Bolívia, por exemplo, só faz levantamento de desmatamento a cada dez anos.

"Nós avançamos no monitoramento do desmatamento, inclusive por monitoramento paralelo [ao do governo], por pressão social", destacou Marina Silva, que também participou do Fórum.

LONGE DAS METAS

De acordo com o estudo, os países amazônicos estão longe de atingir os Objetivos do Milênio, estabelecidos pela ONU em 2000 e assinado por 191 países --incluindo todos que integram a Pan-Amazônia.

A mortalidade infantil, por exemplo, caiu nos países amazônicos, mas não o suficiente para ser reduzida em dois terços até 2015, como quer a ONU.

Nesse quesito, a Bolívia novamente tem a pior taxa: são 73 mortos antes dos cinco anos a cada mil nascidos vivos --índice acima das regiões mais pobres do mundo. O Brasil tem 27 mortos em mil.

A Bolívia também tem os piores índices de educação. Atualmente, 17% da população boliviana amazônica é analfabeta. A Unesco estabelece 5% como um valor crítico. A taxa do Brasil é de 11% na região. Fonte: Sabine Righetti, Folha.com

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

O Movimento Gota D’ Água



Para mobilizar a sociedade para os impactos socioambientais que a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA) trará para a Amazônia artistas globais gravaram um vídeo de protesto contra a construção da usina. A campanha faz parte do movimento "Gota D'Água" da qual faz parte organizações como "Movimento Xingu Vivo Para Sempre" e "Movimento Humanos Direitos". Um dos objetivos da campanha também é discutir o planejamento energético do país. Para assinar a petição contra esse imenso desastre socioambiental que será a usina hidrelétrica de Belo Monte clique no site do "Gota D'Água" veja o vídeo.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Amazônia por um fio: em 5 anos, cenário pode ser irreversível

A Amazônia está em seu limite. O alerta foi feito pelo biólogo Thomas Lovejoy, professor da George Mason University, de Virgínia, Estados Unidos. Segundo ele, a floresta “está muito próxima de um ponto de não retorno para sua sobrevivência, devido a uma combinação de fatores que incluem aquecimento global, desflorestamento e queimadas que minam o sistema hidrogeológico”. De acordo com o pesquisador, restam apenas cinco anos para se inverter as tendências em tempo de se evitar consequências climáticas globais graves, como a desertificação de algumas regiões.

Os vilões são os métodos empregados em larga escala pelo setor extrativista predatório (madeireiros) e pela agricultura extensiva (pecuária) para ocupar áreas na Amazônia: motosserra, correntão e fogo. Para o doutor em Ciências da Terra e especialista em Amazônia Antônio Donato Nobre, se os legisladores do Brasil enxergassem o que a comunidade científica já vê, as ações do governo poderiam ser mais eficazes para a recuperação de biomas via mecanismos de valorização econômica para um uso sustentável da floresta.

“No entanto, o que vemos é uma busca frenética por alterar a lei das florestas (como ocorreu com o código florestal) na direção contrária ao que seria urgente: anistia para os desmatadores e estímulo continuado para o processo de desmatamento. A sociedade brasileira tem demonstrado preocupação com a floresta e com o clima de forma massiva e inequívoca, fato, entretanto, que não parece sensibilizar a maioria daqueles que fazem as leis”, destaca Nobre.

Segundo o pesquisador brasileiro, há consenso na comunidade científica de que a floresta em pé, intacta, tenha alguma capacidade de resistir a mudanças climáticas externas. “Desde os anos 1970 estamos construindo o conhecimento de como a floresta influencia e é influenciada pelo clima. Ela transpira extraordinários volumes de água (aproximadamente 20 bilhões de toneladas evaporam por dia) e condiciona engenhosamente a própria chuva. Além de chuvas, ventos que seccionam a umidade atmosférica do Atlântico para dentro da América do Sul. Esse sistema virtuoso parece ter resistido ao longo de eras geológicas, mas sempre contando com extensiva cobertura florestal nativa”, explica.

Contudo, a alteração da cobertura florestal perturba o mecanismo da floresta amazônica e compromete sua capacidade de auto-regeneração. “A teoria da bomba biótica explica o motivo: sem floresta ocorre redução brusca do bombeamento de água via árvores do solo para a atmosfera; menos vapor é emitido pela superfície desmatada, menos condensação nas nuvens, menos ventos nos rios voadores, menor entrada de umidade na região”. Os estudos observacionais de modelagem climática e análise teórica convergem na indicação de que limites importantes de desmatamento e degradação florestal estão se aproximando, reforça o pesquisador.

De acordo com Lovejoy, restam apenas cinco anos para se inverter as tendências em tempo de se evitar problemas de maior gravidade. Além disso, o biólogo crê que 20% de desflorestamento em relação ao tamanho original da Amazônia é o máximo que ela consegue suportar e o atual índice já é de 17% (em 1965, a taxa era de 3%). Ou seja, a floresta como conhecemos estaria prestes a acabar.

Para Antônio Donato Nobre, nos melhores cenários teríamos um clima muito mais seco, parecido com aquele que produz savanas. Isso levaria a ocorrência de fogo, o que dificultaria o retorno da floresta. Já nos piores cenários imaginados, com o sumiço do “oceano verde” os ventos alísios enfraqueceriam até o ponto de não mais entrarem na América do Sul, o que poderia causar uma desertificação em determinadas áreas. “Em qualquer caso, é de se imaginar que uma alteração tão grande nas cabeceiras dos rios voadores deva afetar o transporte de umidade para o Centro Oeste, Sudeste e Sul, o que implicaria em esperar uma acidificação importante ou desertificante para a porção meridional da América do Sul (a região compreendida entre Cuiabá e Buenos Aires, e entre São Paulo e os Andes)”, analisa.

Há estudos que sugerem ainda que um desaparecimento da Amazônia teria repercussões diretas nos dois grandes oceanos do mundo, Pacifico e Atlântico, com consequências climáticas globais. Fonte: Portal Terra

Quilombolas da Amazônia têm seus territórios ameaçados por projetos hidrelétricos e minerários

O livro “Terras Quilombolas em Oriximiná: pressões e ameaças”, que acaba de ser lançado pela Comissão Pró-Índio de São Paulo (CPI-SP), traz dados preocupantes que evidenciam os desafios enfrentados pelas 35 comunidades quilombolas do município paraense de Oriximiná, na região Amazônica, para proteger suas terras mesmo aquelas já tituladas.

Os quilombolas em Oriximiná constituem uma população de cerca de 8.000 pessoas que se distribuem por 35 comunidades rurais em nove territórios étnicos nas margens dos Rios Trombetas, Erepecuru, Acapu e Cuminã. Quatro dos territórios já se encontram titulados e um quinto está parcialmente regularizado – a dimensão da área titulada em Oriximiná corresponde a 37% do total das terras quilombolas tituladas no Brasil.

O estudo inédito confirmou a contribuição das terras quilombolas na proteção das florestas. O estudo de imagens de satélite demonstrou que apenas 1% dos territórios quilombolas em Oriximiná encontra-se desmatado e que, de forma geral, o ritmo do desmatamento nas terras quilombolas está diminuindo.

Mas a pesquisa revela também que as terras quilombolas estão sob risco. Além do avanço de desmatamento na direção das áreas quilombolas foram identificados diversos fatores de risco, como a ação das empresas madeireiras; as iniciativas de concessão florestal pelo governo federal e estadual; e os projetos minerários e hidrelétricos, envolvendo empresas privadas e o governo federal, que pretendem explorar os recursos dos territórios destas comunidades, causando grande impacto em seus modos de vida.

Dentre as pressões identificadas pela pesquisa da CPI-SP chamam a atenção os interesses minerários: são 94 processos minerários incidentes nas terras quilombolas em Oriximiná, sendo que 10 deles são concessão de lavra em nome da Mineração Rio do Norte. Quatro dos territórios quilombolas têm mais de 70% de sua extensão sob interesses minerários em diversas etapas.

Na região de Oriximiná, na bacia do Rio Trombetas, o Ministério de Minas e Energia realiza estudos para a construção de 15 empreendimentos hidroelétricos: 13 deles contam com estudos de inventário; um com estudo de viabilidade e um com projeto básico. Segundo o “Plano Nacional de Energia 2030”, a área total a ser inundada por tais hidroelétricas soma 5.530 quilômetros quadrados abrangendo terras quilombolas, terras indígenas e unidades de conservação.

A publicação aponta ainda que o direito a consulta livre, prévia e informada — previstos na Convenção 169 — não tem sido respeitado na medida em que muitas decisões que afetam diretamente essas comunidades estão sendo tomadas sem que os quilombolas tenham acessam a informação completa e acessível, tenham a oportunidade de refletir internamente sobre as questões postas e de fato possam expressar sua opinião.

Com a divulgação do livro, a CPI-SP busca apoiar as comunidades quilombolas nas suas demandas por políticas públicas para a proteção e gestão dos territórios quilombolas antes e depois da titulação e pelo cumprimento do direito a consulta livre, prévia e informada.

Para ter acesso a publicação completa clique aqui.

Fonte: Bianca Pyl / Envolverde

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Amazônia em fotos


As fotos acima foram captadas pelo repórter fotográfico Cleris Muniz, para conhecer mais trabalhos deste profissional que fotografa a Amazônia e só acessar o seu blog Elo Amazônia-imagens do cotidiano amazônico

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Adrian Cowell o maior documentarista da Amazônia

Não podia deixar de comentar neste blog a grande perda do maior documentarista da Amazônia, Adrian Cowell, que morreu dia (10) de outubro em Londres, aos 77 anos. Em 50 anos ele produziu o maior registro documental da memória da Amazônia. Entre seus fabulosos documentários está a série "A Década da Destruição", onde retratou a destruição da maior floresta tropical do mundo. Filmado ao longo de dez anos ganhou premiações como da British Academy (BAFTA), o Emmy Founders e o Golden Gate. O acervo do documentarista e produtor de filmes inglês Adrian Cowell foi doado à Pontifícia Universidade Católica de Goiás tem cerca de 3.500 latas de filmes (9.314 rolos), aproximadamente três milhões de pés (900 mil metros) e 1.371 fitas magnéticas em diversos formatos de áudio e de vídeo, perfazendo um total de sete toneladas. Acessando o site você pode conhecer o acervo do genial Cowell. Documentários como: O caminho do fogo, Na Trilha dos Uru Eu Wau Wau, Nas Cinzas da Floresta, Chico Mendes - Eu Quero viver, A mecânica da Floresta, Fugindo da Extinção, Matando por Terras, entre outros. Os filmes estarão a venda em breve no site http://imagensamazonia.pucgoias.edu.br/index.html
Compartilho com "Vocês Chico Mendes - Eu quero viver" da série década da destruição de Adrian que encontrei no youtube.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

A Margem do Xingu - Vozes Não Consideradas



O documentário traz depoimentos dos que serão atingidos pela possível construção da hidrelétrica de Belo Monte no Pará: índigenas, ribeirinhos, habitantes da cidade de Altamira e também especialistas. “À Margem do Xingu- Vozes Não Consideradas” de Damià Puig, produção de Rafael Salazar e fotografia do paraense Bruno Assis levou o prêmio de melhor documentário do Júri Popular no Paulínia Festival de Cinema. Assistam o trailer do documentário.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Porto Velho/RO é o município com mais desmatamento da floresta amazônica

De acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira (3) do sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Porto Velho desmatou 235 km² de vegetação entre setembro de 2010 e agosto de 2011, e ocupa a primeira posição no ranking do desmatamento da Amazônia no último ano.

A área devastada equivale a 13 vezes o tamanho da ilha de Fernando de Noronha, em Pernambuco, e é 146% maior à quantidade suprimida entre setembro de 2009 e agosto de 2010. O município com área de 54.016 km², já integra a lista do governo federal dos 48 municípios que mais desmatam a Amazônia.

Causas – De acordo com Paulo Barreto, pesquisador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o avanço do desmatamento na região de Porto Velho pode ter sido impulsionado pela construção das usinas hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira.

Na região de implantação da usina de Santo Antônio, por exemplo, da empresa Santo Antônio Energia, que construiu e será responsável pela operação do complexo, foi derrubada a vegetação de uma área de 12 km² com autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama). De acordo com a empresa, em contrapartida à supressão da floresta, será feito o replantio em uma área de 39 km².

Para Barreto, é de conhecimento público o desmate autorizado pelo governo federal para a construção das hidrelétricas e dos canteiros de obra. Entretanto, a migração de pessoas para áreas de floresta localizadas na capital de Rondônia tem causado a derrubada ilegal da mata.

“Outro ponto que pode ter impulsionado o desmate foi a redução de áreas de proteção em unidades de conservação. Um exemplo aconteceu na Floresta Nacional Bom Futuro, próximo ao Rio Madeira, que por decreto federal, perdeu parte de sua área devido ao avanço populacional nesta região”, afirmou.

Resolução – Para combater o desmatamento nesta região, Barreto afirma que apenas fiscalizar, apreender madeira e aplicar multas não resolve a questão.

“Primeiro que as unidades de conservação não deveriam ter suas áreas reduzidas. Mas já que isto ocorreu, uma iniciativa criada pelo ministério do Meio Ambiente, e que funcionou bem, foi o embargo econômico de áreas. Isto deveria ser retomado”, disse.

O procedimento do embargo econômico, aplicado pelo Ibama, consiste na realização de um mapa da área desmatada, localização do infrator e publicação de seu nome em sistema do governo federal. “Como a maioria dessas áreas é desmatada por conta da agropecuária, quem comprasse carne desse infrator também era punido”, disse.

Ministra – A tendência de aumento do desmatamento em algumas das localidades que integram lista de 48 municípios chamou a atenção da ministra Izabella Teixeira. Além de Porto Velho, são exemplos Pacajá (PA) e Feliz Natal (MT). De acordo com ela, os prefeitos desses municípios devem ser chamados para discutir estratégias de combate aos crimes ambientais.

“(…) Temos que chamar esses prefeitos para fazer uma revisão do plano estadual de desmatamento e isso vai ser feito, se necessário for. Da mesma forma que a gente tira municípios da lista a gente coloca municípios na lista”, disse. (Fonte: Eduardo Carvalho/ Globo Natureza)

Eduardo Galeano - O Direito ao delírio

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Morre Wangari Maathai, prêmio Nobel da Paz e defensora do meio ambiente


"As árvores foram parte essencial de minha vida e me ensinaram muitas lições. Elas são símbolos vivos de paz e esperança. Uma árvore tem suas raízes no chão e, mesmo assim ergue-se para o céu. Ela nos diz que para ter qualquer aspiração, precisamos estar bem assentados e que, por mais alto que possamos chegar, é de nossas raízes que tiramos nossa base de sustentação" Wangari Maathai

A queniana Wangari Maathai foi uma dessas pessoas que veio ao mundo para fazer a diferença. Dedicou sua vida em favor do meio ambiente e dos direitos das mulheres. Por sua luta ganhou reconhecimento internacional. Wangari foi a primeira mulher africana a receber o Nobel da Paz em 2004, também foi a primeira a receber o título de doutorado na África Central e do Leste. Foi responsável pela criação do movimento denominado Cinturão Verde movimento de luta contra o desflorestamento criado em 1977.

A prêmio nobel da Paz nos deixou neste 25 de setembro de 2011 aos 71 anos vítima de câncer. Ela sempre será lembrada como uma batalhadora pelos direitos humanos e pelo meio ambiente. Acima uma das minhas citações favoritas da Wangari Maathai.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Assassinato de ambientalistas vira tema de documentário no Brasil



Em toda a Amazônia vários ambientalistas, líderes comunitários e agricultores estão ameaçados de morte ou foram brutalmente assassinados. Não podemos esquecer de nomes como Dorothy Stang, Adelino Ramos, Zé Cláudio e sua esposa Maria do Espírito Santo. De acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT) de 1985 a 2010, 1.580 pessoas foram assassinadas no Brasil por causa de conflitos no campo.

Recentemente foi divulgado na imprensa que um dos principais líderes indígenas do Estado de Rondônia, Almir Narayamoga Suruí, está ameaçado de morte por madereiros ilegais e por isso foi incluído em um programa de proteção do governo federal. Almir e reconhecido e premiado internacionalmente por sua luta em defesa dos povos indígenas e das causas ambientais.

Tratando desta delicada temática o documentário "Ecos do Brasil" irá abordar os principais temas ambientais do país, entre eles, o assassinato de ambientalistas no interior do Brasil. Dirigido por Dener Giovanini tem estréia prevista para dezembro de 2011. Assistam uma prévia do documentário.


terça-feira, 6 de setembro de 2011

Maior parte da área desmatada da Amazônia foi transformada em pastos

De acordo com levantamento, feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mais de 60% da área já desmatada na Amazônia foram transformados em pastos. O estudo mapeou o uso das áreas desmatadas do bioma e mostrou o que foi feito com os 720 mil quilômetros quadrados de florestas derrubados até 2008 – uma área equivalente ao tamanho do Uruguai. A pecuária ocupa 62,1% de tudo o que foi desmatado no bioma, com pastos limpos,onde houve investimento para limpar e utilizar a área, mas também com pastagens degradadas ou abandonadas.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Campanha nacional "Floresta Faz a Diferença" contra a alteração do Código Florestal

O Comitê Paulista em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável em conjunto com outras entidades lançou a campanha nacional de mobilização contra o projeto de Lei de alteração do Código Florestal. A campanha se chama "Floresta faz a diferença" . O projeto de alteração do Código Florestala já foi provado na Câmara dos Deputados, de autoria do deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB/SP), o PLC 30/2011 enfraquece as leis que protegem as florestas e outras áreas naturais no país e incentiva a ocupação de áreas de risco, como encostas de morros e margens de rios, abrindo espaço para mais tragédias em centros urbanos, como enchentes e deslizamentos de terra. Após a aprovação na Câmara, cabe agora ao Senado Federal a avaliação do Projeto. Um abaixo-assinado contra o projeto do Código Florestal está sendo realizado pela campanha. Participe e assine! www.florestafazadiferenca.org.br/assine/

Você também pode ajudar a campanha no twitter, divulgando a hashtag #Florestafazadiferença em conjunto com o link do abaixo-assinado. Eu apoio a campanha! Apoie você também!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Código Florestal poderá ser votado em setembro no senado

O líder do governo no senado, Romero Jucá (PMDB-RR), espera que a matéria esteja pronta para apreciação em plenário já em setembro. Para cumprir esse calendário, Jucá destacou que os relatores Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC) e Jorge Viana (PT-AC) trabalham “em regime fechado e em plena carga” para colocar os pareceres em votação o mais rápido possível, sem prejudicar o andamento dos debates que acontecerão.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Queimadas na Amazônia



A temporada de queimadas na Amazônia começou e com ela também vem as desagradáveis consequências para o meio ambiente e para a saúde da população. Geralmente ocorre no período que vai de agosto a novembro. O uso do fogo constitui uma prática bastante enraizada na cultura dos agricultores e fazendeiros da Amazônia. Eles utilizam está técnica com o intuito de "limpar" o solo para o plantio, ou seja convertem florestas derrubadas ou a chamada capoeira em cinzas. Cinzas ricas em nutrientes que em um curto prazo aumentam a produtividade.

O uso massivo de queimadas para preparar o terreno para plantação pode ser devido ao alto custo que um proprietário teria em comprar maquinários e do elevado tempo para roçar um terreno. Apesar de ser um método barato as consequências são altas.

Entre os prejuízos ocasionados pelas queimadas podemos citar: a liberação de carbono para atmosfera, a qual contribui para o aquecimento global; a diminuição significativa da qualidade do ar pelas fumaças dos incêndios, provocando doenças respiratórias como bronquite e asma; fechamento de aeroportos; acidentes de trânsito ocasionados pela má visibilidade nas estradas; interrupção nas redes de energia, isto quando as queimadas atingem as centrais elétricas. A queima de uma área também pode ficar fora de controle e queimar o que não era desejado como florestas naturais.

A perca da biodiversidade a longo prazo é enorme na época das queimadas na Amazônia, pois atinge em grande proporção a fauna e a flora, além de provocar a erosão e a perda gradativa da fertilidade solo.

Pesquisas estão sendo realizadas na Amazônia em busca de alternativas ao uso do fogo na agricultura. Enquanto as pesquisas ainda caminham, o número de queimadas cresce. A fiscalização dos órgãos governamentais ainda é insuficiente para cobrir todos os focos de calor. Por isso muitos acabam cometendo o crime ambiental e ficando impunes. Para que a lei seja cumprida e preciso que ocorra a fiscalização e punição aliada também a uma conscientização por parte de quem comete a contravenção para que não volte a ocorrer.

Tirei estas fotos de queimada no municipio de Montenegro (RO), Brasil